Calculadoras – Parte II

No século XVII, a contabilidade de uma empresa era um processo muito demorado, que exigia um trabalho metódico e muito cuidado. Imagine-se o que seria a contabilidade de impostos de uma das maiores áreas metropolitanas em França, como Rouen. Se houvesse uma forma de automatizar as contas, o trabalho decerto que se tornaria muito mais fácil. Terá sido isto que Blaise Pascal terá pensado, ao ter avaliado o trabalho que o pai dele tinha como supervisor de impostos de Rouen. Com apenas 19 anos, Blaise Pascal projectou a primeira calculadora mecânica funcional.

Continuar a ler

Entrevista para a social media da Clinical Neurophysiology

fig

No início deste ano, eu e outros colegas publicámos um estudo na revista Clinical Neurophysiology [1]. No mês passado fui entrevistado por Diksha Iyer para a social media da revista científica Clinical Neurophysiology, para falar um pouco sobre a minha experiência como investigador, assim como falar um pouco sobre esse estudo.

A entrevista em inglês foi publicada no facebook e no twitter da revista. Eis uma tradução livre da mesma (versão em inglês mais abaixo):

Continuar a ler

Calculadoras – Parte I

abacus

O primeiro ramo da Matemática que se aborda na escola é a aritmética, isto é, “saber os números” e “fazer contas”. É como que o ABC quantitativo de qualquer cidadão funcional na nossa sociedade. Os números, como já descrevi noutros artigos, são abstracções úteis para, em primeira instância, enumerarmos coisas. Tudo na vida vai mudando e, como tal, os números mudam. Uma alteração num número corresponde a uma operação, como seja somar, subtrair, multiplicar e dividir. As operações obedecem a princípios lógicos simples, o que faz com que fazer cálculos numéricos seja fácil. Contudo, o ser-se fácil de um ponto de vista teórico não significa que seja fácil na implementação prática. Por exemplo, multiplicar 98345982 por 2397523905 é algo fácil em termos lógicos, porque sabemos quais as regras a aplicar, contudo é uma tarefa algo árdua e demorada de se fazer “à mão”. É por isso útil usar mecanismos automáticos que nos ajudem a chegar à solução. Imagine-se uma empresa de contabilidade sem poder usar calculadoras ou computadores!… De facto, os instrumentos de cálculo automático que temos são fundamentais para o funcionamento de quase todos os sectores da sociedade. Como é que funcionam esses instrumentos?

Continuar a ler

Quando a Ciência precedeu a Ética: histórias de experiências em humanos – parte VIII

ethical-legal-feature

Em 1947 estabeleceu-se o Código de Nuremberga, aquele que é considerado um dos primeiros documentos a definir regulamentação ética para experimentação em humanos. O objectivo era claro: impedir que “experiências” como aquelas que foram conduzidas pelos nazis não pudessem ser repetidas. Recordo que entre as várias atrocidades cometidas pelos nazis nos campos de concentração, uma delas foi usar judeus como cobaias para estudar a eficiência mortífera de armas químicas, venenos e muito mais. O Código de Nuremberga defende a necessidade de obter consentimento informado da cobaia, bem como a necessidade de haver um objectivo científico claro que possa contribuir para um futuro melhor. A experiência deve também ser insubstituível, isto é, só é justificado usar uma cobaia humana se não houver outra forma de obter o conhecimento que se pretende alcançar. Mais importante que tudo, não se pode sacrificar os interesses da cobaia em favor dos interesses da sociedade ou da ciência.

Se por um lado é claro que o Código de Nuremberga tem sido ignorado de forma recorrente, em particular de forma gritante no Projecto MKUltra, por outro é importante reconhecer que estas e outras considerações éticas não são suficientes para regulamentar a ciência actual. Por isso, nesta última parte deste artigo vou abordar os problemas éticos que a ciência actual e de um futuro (quiçá) próximo começam a criar. Tal como nos outras partes, irei focar-me nas Neurociências.

Continuar a ler

Quando a Ciência precedeu a Ética: histórias de experiências em humanos – parte VII

1500x844_etica_moral_empresa

Esta será a penúltima parte deste artigo que é já o mais extenso neste blogue. Vou aqui apresentar duas últimas experiências onde a ética foi negligenciada, para então na próxima parte olhar para os desafios éticos do presente e do futuro. As duas experiências que vamos conhecer são a do Projecto MKUltra e a Experiência com a Medicação para Esquizofrenia da UCLA.

Continuar a ler

Quando a Ciência precedeu a Ética: histórias de experiências em humanos – parte VI

madscientist

Já aqui falei da história de Mary Rafferty, da Experiência com o Pequeno Albert, das experiências com o boneco Bobo, das atrocidades científicas dos nazis a par da Experiência de Milgram e ainda da Experiência da Prisão de Stanford. Nesta sexta parte vou descrever de forma algo breve três estudos: o Estudo Monstro, o Estudo sobre Sexo em Espaços Públicos e o Estudo da Sífilis (não tratada) em Tuskegee.

Continuar a ler

Uma nova realidade – parte III

No_handshaking_sign_0

Na primeira e segunda partes discuti a propagação do coronavírus, o significado dos números e a importância do distanciamento social. Nesta terceira parte vou dar uma breve opinião sobre o impacto do vírus na liberdade e no ambiente.

Continuar a ler

Uma nova realidade – parte II

fc3a5664-d5c0-40d8-b15c-9c23fac56679-social_distancing-promo_art-01.png

Na primeira parte falei do crescimento exponencial e logístico, do ponto de inflexão, do “achatamento” da curva, e da importância do distanciamento social. Referi ainda de forma breve a previsão de quanto tempo isto vai demorar, bem como algumas considerações a ter quando olhamos para os números de infectados e mortos.

Começo esta segunda parte com a magnitude do problema. Infelizmente sei que estarei a escrever para um público que provavelmente já tem noção que estamos à beira de uma catástrofe de proporções bíblicas e que, por isso, não precisa de ser recordado disto. O público que não o sabe ou aceita é aquele que gostaria que lesse isto, visto serem aqueles que irão continuar a desprezar as medidas de distanciamento social e que, por isso, serão em parte responsáveis pelo agravamento da crise.

Continuar a ler

Uma nova realidade – parte I

corona_660_150220041149

Uma nova realidade exige uma nova perspectiva e um novo entendimento. As “regras” mudaram e por isso temos que nos adaptar. Não é meu costume comentar a actualidade neste blogue, mas o coronavírus merece a excepção. Neste artigo vou partilhar alguma informação que considero útil, bem como dar a minha opinião pessoal sobre vários temas que têm sido discutidos a par do vírus. (Espero estar a partilhar uma opinião suficientemente informada, mas se disser algum disparate, agradeço que me corrijam nos comentários.)

Continuar a ler

Quando a Ciência precedeu a Ética: histórias de experiências em humanos – parte V

page-header

“Fizemos tudo o que os adultos fariam. O que é que falhou?” [1]

Esta frase de William Golding no seu famoso “O Deus das Moscas” (1954) ilustra o pessimismo do autor sobre a natureza humana. Sem restrições sociais, quais seriam os instintos naturais que iriam imperar? Não somos uma tábula rasa [2], pelo que devemos ter uma tendência natural para cooperar ou competir, para partilhar ou roubar, para sermos altruístas ou sádicos, para amar ou odiar. É curioso observar que muitos desculpam comportamentos egoístas, ou até tirânicos em indivíduos que possuem uma posição de poder. A racionalização implícita é que as circunstâncias justificam o comportamento. Será que justificam?

Philip Zimbardo propôs-se a responder a uma questão semelhante no começo da década de 1970: será que a então conhecida brutalidade dos guardas prisionais americanos poderia ser atribuída a uma personalidade particularmente sádica dos guardas, ou será que as circunstâncias do trabalho numa prisão poderiam em parte ditar o comportamento?

Continuar a ler